Mousse de Chocolate

O mousse, hoje em dia, vem em todos os tipos de sabores, e é uma sobremesa ideal para o almoço de família em um Domingo.

Mas você sabia que originalmente ele não era doce, mas sim salgado? Ele foi inventado em 1894, mas só foi em 1900 que um artista francês misturou o chocolate na “espuma” francesa (claras em neve). De lá o resto virou passado, e o mousse bombou nos cafés e restaurantes pela sua textura leve e aerada.

O sabor principal era de chocolate, mas com o tempo os países começaram a adaptar a receita para serem feitas com as frutas e ingredientes locais, como morango, manga, limão, e até castanhas!

Hoje, vamos com a receita original do Henri de Toulouse-Lautrec: o mousse de chocolate.

Ingredientes:

4 gemas

25g de açúcar

25 ml de café expresso- o café realça o sabor do chocolate, incrível que pareça, o mousse não vai ficar com gosto de café, é só não exagerar.

85ml de creme de leite fresco

15 g de açúcar

2 claras

2g de sal.

170g de chocolate meio amargo (aproximadamente uma barra e meio)

Modo de Fazer:

  1. Prepara um banho maria.
  2. Em uma tigela, bate as gemas, os 25g de açúcar, sal e café.
  3. Cozinha até dobrar em quantidade.
  4. Despeja a mistura no chocolate picado (porque ele derrete mais rápido) e mistura.
  5. Para fazer a “espuma”, que vai dar aquela textura maravilhosa, bate as 2 claras e acrescenta os 15 g de açúcar aos poucos para não empelotar. Bate até ficar com picos firmes.
  6. Adicione a claras em neves, aos poucos, em 3 medidas, fazendo um movimento de “dobrar. ” Não use força, porque vai quebrar as bolhas de ar das claras em neve.
  7. Bate o creme de leite até ficar ao ponto das claras, e adicione com delicadeza na mistura.
  8. Agora é só colocar nos potinhos, ou na vasilha, e gelar por uma hora.
  9. Ai pode servir ele com frutas, granulado, chocolate picado, licor de laranja/ ou menta, ou puro mesmo.

Você sabia?

O cacau é rico em antioxidantes que reduzem a inflamação nas artérias e a aderência do colesterol à parede dos vasos, prevenindo a formação de trombos na corrente sanguínea e, consequentemente, o AVC (acidente vascular encefálico).

Rina Martins

Escritora, cientista de comida, nerd assumida e com muito orgulho. Atualmente em Curitiba, aonde usa seu marido e amigos como cobaias em seus experimentos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *